Confira os selecionados para a turma 2021 do Curso de Formação de Juristas Populares

29.03.2021

A Fundação de Defesa dos Direitos Humanos Margarida Maria Alves divulga a lista de selecionados para a turma 2021 do Curso de Formação de Juristas Populares, que faz parte do Projeto “Conhecendo o Direito e Construindo a Cidadania”. O curso tem como objetivo promover formação jurídico-popular para lideranças das comunidades e organizações sociais com vistas à multiplicação dos conhecimentos jurídicos nas suas entidades e o maior acesso à justiça.

Através deste curso a Fundação objetiva diminuir a grande dificuldade de acesso ao judiciário, sobretudo para as pessoas menos favorecidas. Todas as atividades do curso e o respectivo material didático são gratuitos para os/as cursistas, sendo custeada pelo projeto executado pela Fundação Margarida Maria Alves e financiado pela organização alemã Misereor/KZE, parceira da Fundação.

O início do Curso está previsto para 10 de Abril de 2021 e os/as cursistas selecionados/as serão avisados/as com antecedência via e-mail ou telefone dos procedimentos necessários. O término do Curso está previsto para novembro 2021. Todas as atividades previstas serão realizadas on-line enquanto perdurar a Pandemia da COVID-19 e presencial assim que os protocolos de saúde permitirem.

CONFIRA A LISTA COMPLETA (DOWNLOAD)

    LISTA DE CURSISTAS

1. Alana Santos Nascimento (Movimento Nacional de Luta pela Moradia – MNLM)
2. Anderson Cleber de Freitas Lima (Associação Comunitária do Sítio Carnaúba)
3. Bruno Xavier Vieira (Instituo Voz Popular)
4. Cátia Ramos Reis (Associação Regional dos Terapeutas Integrativos – THEA)
5. Cynthia da Cunha Vieira (Instituto Voz Popular)
6. Daniela Barbosa de Lima (Centro de Mulheres Jardim Esperança)
7. Emanuelle Costa Carvalho (Articulação de Mulheres Brasileiras – AMB-PB/Movimento Mulheres Negras – MMN-PB)
8. Flávio Gomes de Pontes (Instituto Voz Popular)
9. Francisco Ribeiro Viana (Fórum de Artesanato do Estado da Paraíba – FEARTE/PB)
10. Hildebrando Diogo Ferreira (MNLM)
11. Iara Raimundo da Silva (Associação CARIMBU do Assentamento Mandacaru/Sumé)
12. Ilza Maria da Silva (Centro de Mulheres Jardim Esperança)
13. Iris de Lima silva (Centro de Mulheres Jardim Esperança)
14. Josivania Oliveira da Silva (Associação CARIMBU do Assentamento Mandacaru/Sumé)
15. Katiucha Maria da Cunha Gomes(Instituto Voz Popular)
16. Luiz Henrique de Souza (Associação Cultural, Desportiva e Social Avante Trincheiras)
17. Luiz Magno Carneiro de Souza (MNLM)
18. Maria da Penha Pereira da Silva (Bamidelê – Organização de Mulheres Negras na Paraíba)
19. Maria de Fátima Norte de Araújo (Conselho Tutelar)
20. Maria Denise (Movimento de Mulheres Olga Benário)
21. Maria Gabriella de Oliveira Vieira (Mulheres com Propósitos)
22. Maria Jucelina de Lima Assis (Centro de Mulheres Jardim Esperança)
23. Otacílio Lima Filho (Associação Cultural, Desportiva e Social Avante Trincheiras)
24. Poliana Ramos Rodrigues das Neves (Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos)
25. Sandra da Costa Vasconcelos (Associação Cultural, Desportiva e Social Avante Trincheiras)
26. Sebastião da Silva Almeida (Associação CARIMBU do Assentamento Mandacaru/Sumé)
27. Vera Lucia Belarmino de Souza (Centro de Defesa do Direitos Humanos Dom Oscar Romero – CEDHOR)

O Curso de Formação de Juristas Populares será desenvolvido através de 04 (quatro) oficinas com temas transversais como: direitos humanos e bem viver, políticas públicas e controle social, gênero e feminismos, etnia e população LGBTQIA+. Em seguida, acontecem 08 (oito) módulos de Noções de Direito com duração de 8 horas cada, que abordam várias temáticas do Direito (constitucional, direito dos grupos socialmente vulneráveis, organização do poder judiciário, civil, penal, trabalhista, previdenciário, urbano), de acordo com a metodologia da educação jurídico popular.

São realizadas 02 (duas) visitas aos órgãos públicos como curadorias, defensoria pública, juizados especiais e fóruns, com o objetivo de aproximar o/a cursista dos órgãos do sistema de justiça. Além de um estágio que será desenvolvido através de uma Ciranda de Direito, ou seja, os/as cursistas farão atendimento direto e supervisionado à população em uma comunidade, com informações sobre direito de cidadania com devidos encaminhamentos aos órgãos públicos, quando for o caso.

Mais informações pelo e-mail fundacao @ fundacaomargaridaalves.org.br ou telefone (83) 3221-3014.