Rede de Juristas Populares celebra 8 de Março com exibição de “Coragem Mulher”

05.03.2009

O documentário ‘Coragem Mulher’, das jornalistas Mislene Santos e Christine Ferreira, vai motivar a discussão dos Juristas Populares nesta sexta-feira, dia 6, durante o Seis&Meia Juristas em Rede. O evento marca a participação dos paraibanos na programação da Rede Nacional de Educação Jurídico Popular, que está celebrando a passagem pelo Dia Internacional da Mulher com atividades que discutem a violência de gênero em pelo menos oito estados brasileiros. A exibição acontece a partir das 18h30, na Casa Brasil, na avenida Trincheiras, Centro, próximo ao Núcleo de Arte Contemporânea, será aberta ao público e com entrada gratuita.

Baseado em histórias de violência vividas por mulheres paraibanas, o documentário também traz depoimentos de quem atua na defesa dos direitos dessas mulheres, com representantes de várias organizações, como o Centro da Mulher 8 de Março e a Coordenadoria de Políticas Públicas para Mulheres da prefeitura de João Pessoa. A direção é de Mislene Santos, que também dirigiu o vídeo “Uma flor na várzea”, contando a história de Margarida Maria Alves, e de Christine Ferreira.
O trabalho foi lançado em outubro do ano passado e tem sido bem recebido em vários festivais em todo o Brasil, sendo apontado como a melhor edição do III Jampa Vídeo Festival, que aconteceu no Sesc-JP. “Coragem Mulher” narra, durante 20 minutos, os dramas de mulheres que sofreram durante anos com a violência doméstica, sendo agredidas, torturadas, estupradas e que, por muito pouco, não perderam a vida, mas que levarão para o resto de suas vidas as marcas físicas e psicológicas da violência.

Logo após a exibição, os Juristas promovem com os presentes um debate sobre a situação da violência contra as mulheres na Paraíba, as condições em que está funcionando hoje a Lei Maria da Penha e os instrumentos legais de que as vítimas dispõem para se defenderem de seus agressores.

Articulação nacional – A Rede Nacional de Educação Jurídico Popular foi criada a partir da articulação iniciada em 2005, quando a Fundação Margarida Maria Alves promoveu o 1° Encontro Regional de Educação Jurídico Popular, em João Pessoa. A rede foi consolidada ano passado, durante a segunda versão nacional do evento, também realizada na capital e propõe uma ação integrada entre o público de experiências em educação jurídico popular de nove estados brasileiros, entre eles o Rio Grande Sul, Pará, Rio de Janeiro e São Paulo, além do Distrito Federal.